Convivência

Dicas para o cuidado com animais de estimação no condomínio

por BRCondos em 05 de março de 2019

Pets no condomínio ainda são motivo de conflitos entre os moradores. Mesmo tendo os devidos cuidados, atenção e tolerância a presença de animais exige bom senso de ambos os lados.


O Brasil tem hoje mais de 133 milhões de animais de estimação. São mais ou menos 53 milhões de cães, 38 milhões de aves, 22 milhões de gatos, 18 milhões de peixes ornamentais e 2,7 milhões de pequenos répteis, todos espalhados pelos lares brasileiros. Estes animais são considerados como membros da família e nos condomínios, ainda podem gerar alguns conflitos.

A convivência entre pessoas e animais tende a ser benéfica para as duas partes, porém, alguns tutores não respeitam os limites de espaço e silêncio, enquanto uma parcela dos moradores age de forma exagerada. Quando as duas partes esquecem o bom senso é que os problemas acontecem, disse Ana Thereza Colen, que é membro da Comissão de Proteção e Defesa dos Animais da OAB em Varginha/MG.

Alguns condomínios já oferecem Pet Place, espaços destinados aos pets, onde donos e animais podem se divertir à vontade. No entanto, a grande maioria ainda não possui esse trunfo. “Não há como proibir a presença dos pets, ainda que nenhuma Lei afirme isso. As disposições em convenção condominial que tentaram evitar a permanência deles não funcionaram, revela Ana.

O segredo, segundo a advogada, está na boa convivência e em respeitar as regras estabelecidas, que devem estar explícitas para todos os moradores no regimento interno do condomínio.

O ideal é que todos tenham acesso ao documento, que precisa informar os locais onde os animais podem transitar e fazer suas necessidades, além da conduta necessária do dono em relação a elas, esclarece Ana. 

Questões como o uso do elevador social, da coleira e do jardim também precisam ser regradas. Desta maneira e se todos forem responsáveis com o que diz o regulamento, muito dificilmente haverá problemas e conflitos nos condomínios.

A convivência exige que as partes envolvidas dialoguem, mas também saibam escutar. Quanto mais saudável forem as relações, mais bem-estar terão os envolvidos.

Portanto, proibir a permanência de animais no interior dos apartamentos fere o direito de propriedade e a liberdade de cada um. Porém, adequar a permanência deles no condomínio não somente é permitido, como também é saudável para a convivência de quem tem e de quem não tem animais de estimação.


Comentários

  1. Paulo Charles

    Nesta convivência de bom senso não seria mais razoável que, no caso do uso dos elevadores por pessoas que conduzem seus cachorros, junto com outras pessoas que não se sentem seguras com eles que, além do condomínio requerer a coleira fosse requerido fucinheira?
    Afinal, nunca se sabe se um cachorro, somente conduzido numa coleira, num espaço restrito de elevador, poderá estranhar e morder outro vizinho, que está utilizando o mesmo elevador.

    1. BRCondos

      Olá Paulo, é uma colocação interessante, e neste caso cada condomínio pode tratar em assembleia as melhores práticas para o convívio de animais, prezando neste caso pela segurança de todos.

  2. Carla

    Não faço nenhuma objeção sobre pets, desde que, não fiquem latindo por horas e horas enquanto seus tutores estão ausentes. Alguns tutores agem de forma egoísta e desrespeitosa quando não educam seus cães para ficarem sozinhos em casa e com isso tiram a tranquilidade dos vizinhos em suas residências. Acredito que, deveria haver limite de tolerância de latidos, determinando um tempo pré estipulado com previsão de multa quando este limite for ultrapassado, assim como acontece em alguns estados nos Estados Unidos.

  3. Laudicéia Delfino

    Eu tenho três cachorros na minha casa… acho se cada um cuidar dos seus e não incomodar vizinhos tudo bem

  4. Josiane

    Minha filha veio me visitar, trouxe o cachorro,o elevador de serviço estava parado o 17 andar ela teve que descer com ele no social na coleira e eu recebi uma multa sem quer ser notificada. A síndica disse que avisou para ela. Mas eu sou a moradora e eu pago o condomínio eu deveria ser notificada. Fora isso,
    acho uma hipocrisia, membros da família podem andar no elevador social.E eu nem tenho cachorro, vez em quando ela precisa pegar no pet e fica aqui até ela vir do trabalho. 400,00 é muito dinheiro pra descer do 1 andar até o térreo.

  5. ELIANE DE SOUZA CARVALHO

    bom dia
    Gostei das informações mas se tiver mais matérias sobre o assunto seria interessante.
    Como montar no regimento por exemplo regras sobre onde o cão pode ou não passear , enfim mais detalhes sobre este assunto tão polêmico.
    Obrigada

    1. BRCondos

      Oi Eliane, que bom que você gostou.
      Obrigada pela dica, vamos publicar mais sim sobre o tema. 🙂

  6. Rubia

    OI
    ADOREI O TEXTO SOBRE OS PETS.

  7. creivocim silva

    Tudo se resume também no ensino que se dá aos animais (principalmente aos cachorros). Um cachorro, seja ele de raça ou não, é equivalente a uma criança de 3/4 anos e precisam SIM, ser educados até dentro de casa: durante o dia ou principalmente a noite, quando ouvem algum barulho. Portanto, no meu entender, tudo se resume NA EDUCAÇÃO DOS DONOS E SEUS “FILHOS”. Alias, tenho 05 cachorras e moro em casa, mesmo assim o respeito aos vizinhos deve ser uma constante!

Comments are closed.